quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Forte Orange

Após a tomada de Olinda e do Recife em 1630, os holandeses começaram a expandir a conquista e no ano seguinte decidiram atacar a vizinha Capitania de Itamaracá. Para tanto construíram um ponto forte no extremo sul da ilha, que foi denominado Schans Oranje (trincheira Orange), em homenagem a Casa Real da Holanda. Partindo deste local em 1633, as tropas do coronel alemão Sigmund von Schkoppe poderam vencer as defesas luso-brasileiras e tomar a vila de Conceição (hoje Vila Velha) após cerco de dois anos. O local passou a ser chamado Vila Schkoppe.

Pela sua importância na defesa da entrada do canal que dava acesso à Vila Schkoppe, seu porto e Igarassú, o Forte Orange foi sendo ampliado e artilhado pelos holandeses. Algumas tentativas das forças portuguesas para retomar o forte foram rechaçadas pelos invasores.

Em 1654, com a rendição dos holandeses, o Forte Orange passou para o controle dos portugueses sendo renomeado como Fortaleza de Santa Cruz.

Foi reparado em 1696 e novamente em 1777. No início do século XIX encontrava-se abandonado e em ruínas. Sofreu novos reparos em 1817, sendo ocupado por tropas do Padre Tenório na Revolução Pernambucana no mesmo ano.

Tombado pelo Serviço do Patrimonio Historico e Artistico Nacional em 1938, foi administrado por diversos orgãos públicos como o Exército Brasileiro, Prefeitura de Itamaracá (inclusive através de José Amaro de Souza Filho), Ministério da Cultura e FADE. Esta última coordenou um projeto de pesquisa arqueológica envolvendo a UFPE, MOWIC Foundation (holandesa), IPHAN e Governo de Pernambuco.

Existe um projeto para recuperação do forte com a implantação de museu e algumas facilidades, além de adequação do entorno para a visitação e lazer.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

A Capitania de Pernambuco

A conquista das regiões do Brasil feita, com o favor de Deus, pelas armas da Companhia Geral das Índias Ocidentais, compreende quatro capitanias, a primeira das quais, a maior, a mais rica, a mais produtiva e populosa, é a Capitania de Pernambuco.

Esta capitania de Pernambuco tem os seguintes limites: ao Sul extrema com a Capitania de Sergipe d'el Rei pelo rio São Francisco, que demora aos 10°20' de latitude meridional e ao Norte com a Capitania de Itamaracá, situando-se a linha divisória a meio rio adiante da pequena cidade Schkoppe [Vila Velha] sita na ilha de Itamaracá, e correndo daí diretamente ao ocidente, segundo a bússola, e indo encontrar a terra firme defronte da mesma ilha, no lugar onde foram fixados os marcos na altura de 75°50'.

Do rio São Francisco ao cabo Santo Agostinho a costa corre geralmente sudoeste nordeste por espaço de 33 milhas, e do dito cabo até a ilha de Itamaracá norte quarta a oeste e sul quarta a leste obra de 13 milhas. Assim esta capitania tem um litoral de 46 milhas.

Os seus portos principais, próprios para abrigar navios grandes, são o Recife de Olinda, Cabo Santo Agostinho, atrás da ilha de Santo Aleixo, Barra Grande, no das Pedras, o seu Lagamar, porto de Jaraguá, porto dos Franciscos, Coruripe. Tem também, rios próprios para barcos e embarcações pequenas, como o das Jangadas, de Serinhaém, Formoso, Una, Camaragibe, Santo Antônio Grande, as Alagoas, São Miguel e rio São Francisco, o qual, apesar de ser um grande rio, não tem barras ou portos capazes.

Esta capitania de Pernambuco se divide em quatro jurisdições, das quais a principal é a câmara da cidade de Olinda; a segunda e a mais antiga é a câmara de Igarassú; a terceira, é a câmara da Vila Formosa de Sirinhaém; a quarta, que nunca teve câmara, sendo dirigida pro libitu do mais poderoso do lugar, começa ao sul da jurisdição de Serinhaém e se estende até o rio São Francisco.

  
Breve discurso sobre o estado das quatro capitanias conquistadas de Pernambuco, Itamaracá, Paraíba e Rio Grande, situadas na parte setentrional do Brasil

J. Maurice Conte de Nassau
M. van Ceullen
Adriaen van der Dussen

14 de janeiro de 1638, Recife


traduzido por José Hygino Duarte Pereira
revisado por José Antônio Gonsalves de Melo

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Antônio Dias Cardoso

Nascido na cidade do Porto, Portugal, no início do século XVII, Antônio Dias Cardoso veio ao Brasil com a família ainda criança.

Assentou praça na Bahia em 07 de fevereiro de 1624, participando da expulsão dos holandeses de Salvador no ano seguinte, usando táticas de guerrilhas emprestadas aos índios. O emprego das emboscadas vai marcar sua atuação no comando de diversas tropas na chamada "Guerra Brasílica".

Foi promovido a alferes em 1635 e a após participar da defesa de Salvador contra as tropas de Maurício de Nassau em 1638 alcançou o posto de capitão. Em 1640 pediu reforma, mas foi reconvocado em 1645 para participar da Insurreição Pernambucana.

Participou ativamente da batalha do Monte das Tabocas, comandando um Terço de Emboscadas com cerca de 1000 homens entre portugueses e gente da terra. Tomou parte importante também na batalha de Casa Forte. Nas duas ocasiões, comandando pessoas sem treinamento militar conseguiu vencer, juntamente com outros destacamentos, tropas mercenárias invasoras com efetivo igual, bem melhor armadas e acostumadas às batalhas.

Incumbido por André Vidal de Negreiros, percorreu o interior de Pernambuco e Bahia com suas tropas coletando informações sobre os efetivos e os locais ocupados pelos holandeses, além de arregimentar homens para a causa da Insurreição.

Sua atuação também foi destacada nas duas batalhas dos Guararapes (1648 e 1649) comandando um Terço de Emboscadas no ataque frontal na 1ª batalha e contra o flanco do inimigo postado na parte alta do terreno na 2ª batalha.

Em 4 de fevereiro de 1655, Dias Cardoso foi armado Cavaleiro da Ordem de Cristo e em 12 de maio de 1656 foi nomeado Mestre de Campo.

Durante alguns meses do ano de 1657, Dias Cardoso, nomeado por Vidal de Negreiros, assumiu o governo interino da Paraíba.

Antônio Dias Cardoso faleceu no Recife por volta de setembro de 1670, estando na época ao comando do Terço anteriormente liderado por João Fernandes Vieira.

A Lei nº 12701 de 06/08/2012 determinou que o seu nome fosse inscrito no Livro de Heróis da Pátria, conhecido como "Livro de Aço", que está depositado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves na praça dos Três Poderes em Brasília.

Dias Cardoso é o patrono do 1º Batalhão de Forças Especiais do Exército e do Regimento de Polícia Montada da Polícia Militar de Pernambuco.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Apresentando o Brasil ao Mundo

Chegando ao Recife em março de 1638, Georg Marcgrave foi incumbido por Nassau de fazer um levantamento da fauna e flora do Brasil holandês. Após 5 anos de expedições pelo Nordeste coletando amostras de animais e vegetais e fazendo desenhos e pinturas de paisagens, nativos, plantas e bichos de centenas de espécies, Marcgrave havia conseguido uma coleção de informações que ainda não havia sido feita em terras do Novo Mundo.

Em 1648, Joannes de Laet publica na Holanda sob o patrocínio de Nassau, o livro Historia Naturalis Brasiliae, apresentando a pesquisa de Marcgrave em conjunto com o trabalho do médico Willem Piso. Escrito em latim, o livro é dividido em duas partes: De medicina brasiliensi com quatro livros de Piso e Historiae rerum naturalium Brasiliae com oito livros de Marcgrave:
Qui agit de Herbis (ervas); Qui agit de Plantis Frutescentibus & Fruticibus (arbustos); Qui agit de Arboribus (árvores); Qui agit de Piscibus Brasiliae (peixes); Qui agit de Avibus (aves); Qui agit de Quadrupedipus & Serpentibus (quadrupedes e serpentes); Qui agit de Infectis (insetos) e Qui agit de ipsa Regione & Indigenis (região e indigenas).

Segundo o professor Dr. Matsuura: "tendo assimilado na Universidade de Leiden [Holanda] o apreço pela observação e experimentação, Marcgrave estava longe das especulações metafísicas que o precederam.  Historia Naturalis Brasiliae foi uma obra revolucionária na época não só pelo seu conteúdo original, mas também pela maneira como descrevia a natureza. As notas baseadas em observações pessoais estabeleceram um marco na emergência gradual de uma história natural moderna."

Apesar de sua obra servir como principal referência de história natural do Brasil até meados do século XIX, Georg Marcgrave não chegou a ver a importância dela pois morreu no início de 1644 em Angola, aonde foi enviado para fazer levantamento cartográfico, outra de suas várias habilidades, vítima de doença tropical. Mesmo assim, seu nome está gravado no rol dos primeiros cientistas da América e destaca o Recife como Marco Zero da ciência no Brasil.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

André Vidal de Negreiros

Paraibano de Santa Rita, nascido em 1606 no engenho São João, pertencente aos seus pais, Francisco Vidal e Catarina Ferreira, Vidal de Negreiros foi um dos heróis da Insurreição que expulsou os holandeses do Brasil em 1654.

Em 1624, Vidal foi a Salvador lutar contra as forças de invasão que os holandeses enviaram à Bahia. Vencidos os invasores no ano seguinte, ele seguiu para a Europa onde esteve por oito anos entre Portugal e Espanha.

Após a invasão de Pernambuco em 1630, os holandeses dominaram grande parte do território nordestino. Em sua expansão máxima, o chamado Brasil holandês ia do Maranhão ao Rio São Francisco. Vidal de Negreiros se engajou na luta sendo seu nome citado na defesa contra o ataque do Conde Maurício de Nassau a Salvador em 1638.

Foi nomeado governador da capitania do Maranhão em 1645 mas permaneceu na Bahia onde liderou um Terço de Emboscadas que provocava os invasores em guerrilhas pelo interior, levando Nassau a instituir um premio pela sua cabeça.

Seguindo para Pernambuco em agosto de 1645, Vidal de Negreiros participou ativamente de todos os combates da Insurreição Pernambucana como Casa Forte, Pontal de Nazaré, Guararapes (1ª e 2ª) e finalmente da tomada do Recife em janeiro de 1654.

André Vidal de Negreiros foi incumbido de levar a notícia da vitória em Pernambuco ao rei D. João IV que o condecorou com a Ordem de Cristo. Foi nomeado governador do Maranhão, de Pernambuco em duas oportunidades e de Angola.

Faleceu em 1674 no Engenho Novo em Goiana, sendo seus restos mortais trasladados posteriormente para a Igreja de Nossa Senhora da Conceição nos Montes Guararapes.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

A Tomada de Porto Calvo

Depois da minha partida da Inglaterra, que teve lugar a 6 de dezembro, cheguei, graças a Deus, felizmente e com saúde ao Recife, no Brasil. Immediatamente tratei de levantar todas as tropas que as guarnições podiam dispensar e reunindo-as à pouca gente que commigo veiu, puz-me à frente de 3000 soldados, 800 marinheiros armados de fuzil e 600 brasilienses, com os quaes marchei contra o inimigo, cujo grosso achava-se postado perto do forte de Povoação em Porto Calvo, em numero de 3000 sem contar os habitantes.

A 18 de fevereiro encontramos, em um passo que deviamos atravessar, 1800 homens entrincheirados, bem providos de palissadas e com os flancos cobertos por abatizes. Atacamos os contrarios por tres lados differentes, e, com o auxilio de Deus, batemol-o com perda de 300 homens, entre os quaes muitos officiaes, havendo da nossa parte apenas 6 mortos e 35 feridos. Proseguindo na marcha em direcção ao forte, onde o Conde de Bagnuolo se tinha entrincheirado sobre dous outeiros proximos, verificamos ter abandonado estas trincheiras e haver retirado-se em grande desordem para as Alagôas deixando duas peças de bronze.

Depois de sitiar o forte e avisinharmo-nos com os nossos aproxes dos seus defensores, estes a 3 do mesmo mez, renderam-se mediante condições.

O governador era um hespanhol chamado Miguel Giberton, tenente general da artilharia... Dentro do mencionado forte encontramos 22 bonitas peças de bronze, 5 de ferro, 4 grandes morteiros, 372 granadas grandes, algumas granadas de mão, 500 barris de polvora e grande quantidade de murrões e outra munições de guerra.

Logo que a nossa gente estiver provida de viveres marcharemos ao encalço do inimigo afim de, com o auxilio de Deus, obrigal-o a transpor o Rio de S. Francisco.

Vosso leal e obediente servidor
MAURICIO, Conde de Nassau

No acampamento junto a povoação de Porto Calvo, 8 de março de 1637.

Carta de Nassau aos Estados Gerais, traduzida por Alfredo de Carvalho e publicada na Revista do Instituto Archeologico e Geographico Pernambucano em 1902

terça-feira, 21 de agosto de 2012

D. Anna Paes

Apesar de proibido pelas autoridades da Cia. das Índias Ocidentais, ocorreu no Brasil holandês o relacionamento íntimo entre vários europeus e mulheres da terra. Em alguns casos houve até o casamento e a formação de famílias entre holandeses e luso-brasileiras.

Ficou bem marcado o casamento de Gaspar van Niehof van der Ley, batavo que adquiriu o engenho Algodoais no Cabo de Santo Agostinho, com Maria Gomes de Mello, filha de outro senhor-de-engenho. Desta união surgiu a família Wanderley.

O caso mais peculiar entre holandeses e brasileiros foi o de Anna Gonsalves Paes de Azevedo, filha dos portugueses Jerônimo Paes de Azevedo, senhor do engenho Casa Forte e Izabel Gonsalves Paes.

Com a invasão dos holandeses em 1630, D. Anna Paes que era casada com o capitão Pedro Correia da Silva, ficou viúva devido ao ataque ao forte São Jorge, na área do porto, onde seu marido morreu.

Apesar de educada nos moldes tradicionais, tinha uma cultura incomum para as damas da época, e herdando o engenho Casa Forte pode administra-lo de modo a mantê-lo entre os melhores de Pernambuco.

Em 1637 casa-se com o capitão Charles de Tourlon, comandante da guarda pessoal do conde Maurício de Nassau, com quem teve uma filha, Isabel de Tourlon. Haviam rumores que Anna tinha um romance secreto com o conde de Nassau. O fato é que Nassau acusou o capitão Tourlon de traição junto aos portugueses e o mandou de volta para a Holanda onde faleceu em 1644.

Ao tomar conhecimento da morte de Tourlon, D. Anna Paes casa-se pela terceira vez, em 1645, com Gilbert de With, conselheiro de justiça do governo holandês no Recife. Com ele teve dois filhos, Kornelius e Elizabeth.

Seus três filhos eram batizados na religião calvinista holandesa.

Expulsos os holandeses em 1654, Anna Paes foi considerada holandesa, teve seus bens imóveis confiscados mas pode embarcar para a Holanda com o marido e os filhos.

D. Anna Paes morreu no dia 21 de dezembro de 1674, aos 57 anos, em Dondrecht, Holanda, onde morava com sua família.

domingo, 12 de agosto de 2012

O Arraial do Bom Jesus

Após o desembarque e conquista de Olinda e Recife pelos holandeses, as tropas luso-brasileiras sob comando de Matias de Albuquerque fogem em direção ao interior.

Para fazer frente aos invasores e impedir a conquista dos engenhos de açúcar mais afastados do litoral, Albuquerque determina ainda em 1630 a construção de um ponto forte em uma pequena elevação equidistante uma légua da vila (Olinda) e do porto (Recife), na casa que pertencia a Antônio de Abreu.

Segundo Diogo Lopes Santiago em História da Guerra de Pernambuco:
e para isso buscou um sítio acomodado em um outeiro aonde trabalhou tanto que em breve se fez, cercando-o de uma forte trincheira, com seus terraplanos, parapeitos, plataformas e esplanadas, donde se descortinasse o campo, fazendo-lhe duas cavas bem alteadas e fundas, e junto delas edificaram muitos moradores suas casas, para que com seu amparo pudessem ficar seguros do inimigo, e assim se fez em breve uma razoada povoação, fortificou e forneceu esta força com artilharia, em que havia algumas peças de bronze.

O local foi batizado de Forte Real do Bom Jesus ou Arraial do Bom Jesus. Deste ponto partiam os Terços de Emboscada, pequenos destacamentos que, utilizando táticas de guerrilha, atacavam as tropas holandesas que se aventuravam fora dos limites do Recife para coletar alimentos e lenha.

A partir de 1632 com a conquista de diversos pontos ao redor e do acesso ao rio Capibaribe, os holandeses montaram um cerco fechado ao Arraial e após baterem com sua artilharia demoradamente as defesas, obrigaram a rendição dos ocupantes do Forte Real no dia 08 de junho de 1635. Os sitiados não tinham mais nenhuma munição de guerra ou de boca, já tendo inclusive consumido os animais domésticos como cães, gatos e cavalos.

Foi assinado um acordo de rendição em que os holandeses, comandados pelo coronel polonês Chrestofle Arciszewski, garantiam aos luso-brasileiros sua vida e a posse de seus bens que pudessem carregar. Houve, no entanto, grande crueldade dos invasores que torturaram os rendidos em busca de ouro, prata e objetos de valor.

Atualmente o local é parte do Sítio da Trindade no bairro de Casa Amarela, tendo sido alvo de pesquisa arqueológica pela UFPE em 1968/1969 e 1988.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Batalha do Monte das Tabocas

Senhores camaradas: esta guerra,
É mais vossa, que minha, pois nasci
(Se nesta terra vós) eu noutra terra,
Distante mais de mil léguas daqui,
Se amor da liberdade em vós se encerra,
Por vos servir é certo, que perdi
Cinco engenhos reais, meu ouro e prata,
E convosco me vim para esta mata.

Aqui vos tenho dado o mantimento,
E as armas que em segredo ajuntar pude,
E nas angústias do maior tormento
Não tenhais arreceios que me mude;
de vos servir, e a Cristo tenho intento,
E estou certo que a Mãe de Deus me ajude
A libertar a vossa pátria amada
Da canalha holandesa depravada.

Acham-se neste bélico teatro,
O católico povo e luterano,
Qual ardendo com fúria do Baratro,
Qual defendendo o ser pernambucano;
Não viu tão suntuoso anfiteatro,
Batalha mais gostosa algum romano,
No campo vencedor o luso fica,
E por vencido o belga se publica.

Durou a briga horrenda e trabalhosa,
Quatro horas inteiras, sem perigo
Dos nossos, que enfim era empresa honrosa
Da Sacra Virgem, como canto, e digo;
Na primeira investida gloriosa,
Tiveram morte em nosso bando amigo
Dois Hércules cristãos, dois Viriatos
João Pais Cabral e João de Matos.

O Valeroso Lucideno
Frei Manoel Calado


A batalha do Monte das Tabocas ocorreu no dia 03 de agosto de 1645 na área rural da atual cidade de Vitória de Santo Antão, sendo considerado o primeiro grande combate da Restauração Pernambucana.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Cabeças a Prêmio

Andava o capitão André Vidal de Negreiros pelo interior com seu terço de emboscadas deixando os holandeses acuados nas fortificações do Recife sem poder sair para apanhar lenha, água nem alimentos.

As expedições de busca que os invasores empreendiam nunca conseguiam apanhar nenhum dos insurretos pelo sistema de vigias que eles empregavam, fugindo para o mato quando necessário.

O governador, conde Maurício de Nassau, resolveu então mandar fixar em toda a capitania e nas vilas vizinhas um edital em que prometia um premio de 2 mil florins a quem lhe entregasse a cabeça de Vidal de Negreiros, perdoando também qualquer crime que tivesse cometido.

Tomando conhecimento do edital de Nassau, Negreiros respondeu na mesma moeda publicando o seguinte:

André Vidal de Negreiros, capitão da infantaria d'El-Rei de Portugal, meu senhor, por este crédito por mim assinado, prometo seis mil cruzados em ouro pagos à vista, a quem me trouxer a cabeça de João Maurício, conde de Nassau, ou me fizer certo como o matou.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

2ª Batalha dos Guararapes

Após a derrota na batalha dos Guararapes ocorrida em 19 de abril de 1648 os holandeses ficaram restritos apenas a ofensivas por mar.

O Conselho do Recife, pressionado pelo Conselho dos XIX na Holanda, cobrava dos chefes militares alguma ação que diminuisse o cerco sobre as localidades ainda sob domínio holandês no litoral. Os oficiais holandeses eram contra, por receio das emboscadas armadas pelos luso-brasileiros e pela carência de víveres e munições.

Sem ter como conviver mais com o cerco, no dia 17 de fevereiro de 1649 os holandeses deslocam uma força armada com 3500 homens saindo do Recife, passando por Afogados, depois pelo curral de Antônio Cavalcanti (hoje Boa Viagem) e finalmente ocupando os montes Guararapes e a passagem para o mar.

Ao tomar conhecimento da disposição dos holandeses, o general Barreto de Menezes posiciona suas tropas do outro lado dos Guararapes, o que hoje seria o Ibura, na localidade conhecida como Oitiseiro. Durante a tarde e a noite houve apenas pequenas escaramuças com patrulhas de ambos os lados.

As escaramuças duraram até o meio-dia seguinte (18/2), quando o sol forte e a falta d'água obrigaram ao coronel van den Brinck a tentar uma retirada de volta a Afogados. Por volta das 3 horas da tarde as tropas holandesas começam a abandonar as posições nas alturas descendo para o boqueirão. Vendo a ação do inimigo, Barreto de Menezes ataca sua retaguarda que opõe resistência mas é batida pela cavalaria luso-brasileira.

A confusão se instala nas forças holandesas que sofrem derrota maior que na batalha do ano anterior. Além do seu comandante van den Brinck, morrem mais 173 oficiais e 855 soldados, tendo sido aprisionados 90. Ficaram no campo de batalha 05 peças de artilharia de campanha e cinco bandeiras.

Os luso-brasileiros perderam 45 combatentes e 200 feridos inclusive o mestre-de-campo Henrique Dias. Também participaram dos combates João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros e Antônio Dias Cardoso. Em homenagem à vitória, o general Barreto de Menezes mandou construir uma capela no local, que hoje é a igreja de Nossa Senhora dos Prazeres.

sábado, 16 de junho de 2012

Construindo Mauritsstadt

Maurício de Nassau tinha como grande paixão a arquitetura e o urbanismo. Além de cercar-se de grandes nomes como Jacob van Campen e Pieter Post, empenhava-se pessoalmente nos projetos e na sua execução como pode ser notado na descrição do frei Manoel Calado em "O Valeroso Lucideno":

Andava o conde de Nassau tão ocupado em fabricar a sua nova cidade que para afervorar os moradores a fazerem casas, ele mesmo, com muita curiosidade, lhe anelava deitando as medidas e endireitando as ruas, para ficar a povoação mais vistosa, e lhe trouxe a entrar por o meio dela, por um dique, ou levada, a água do rio Capibaribe a entrar na barra, por o qual dique entravam canoas, batéis e barcas para o serviço aos moradores por debaixo das pontes de madeira, com que atravessou em algumas partes este dique a modo da Holanda, de sorte que aquela ilha ficava toda rodeada de água.

sábado, 12 de maio de 2012

O Valeroso Lucideno

O frei Manoel Calado do Salvador, português de Vila Viçosa nascido em 1584, veio para o Brasil em 1620 instalando-se em Salvador. Por conta da invasão holandesa em 1624 é preso e depois de libertado segue para Porto Calvo, hoje Alagoas.

Religioso da ordem de São Paulo, Congregação dos Eremitas da Serra D'Ossa, frei Manoel dos Óculos, como também era conhecido, foi testemunha presente em diversos episódios importantes havidos no Brasil holandês. No ano 1635 em Porto Calvo, viu a chegada dos holandeses e a retomada da vila pelas tropas de Matias de Albuquerque, inclusive com a captura e execução de Domingos Calabar a quem assistiu em seus últimos momentos antes de ser enforcado e esquartejado. Começa então a engajar-se na luta contra os neerlandeses organizando uma tropa de negros que agia em emboscadas.

Sabedor de suas qualidades como intelectual e religioso, Maurício de Nassau o convida para morar em Mauritsstadt perdoando suas ações de guerrilha. Calado passa a morar nas cercanias do palácio de Friburgo, privando da companhia do conde de Nassau. Esteve no Brasil até julho de 1646 quando retornou a Portugal.

Em setembro de 1645 frei Calado começa a escrever uma cronica que viria a se tornar um dos melhores livros sobre o período da ocupação holandesa do nordeste brasileiro. O Valeroso Lucideno e o Triunfo da Liberdade foi publicado em Lisboa em 1648 com 356 páginas. Descreve de forma interessantíssima aspectos da guerra, da política, religião e costumes dos variados povos que viveram e passaram pelo Recife e outras localidades do Brasil holandês.

Frei Manoel Calado faleceu em 12 de julho de 1654.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

O Outro Maurício de Nassau

Nascido em 14 de novembro de 1567, o holandês Maurício de Orange-Nassau tornou-se príncipe de Orange em sucessão ao seu irmão Felipe Guilherme em 1618.

Filho do príncipe Guilherme I, O Taciturno, que liderou a Casa de Orange-Nassau contra os espanhóis na independência dos Países-Baixos, Maurício de Orange-Nassau modernizou o exército neerlandês tornando-o permanente, além de introduzir o treinamento, o aumento do uso das armas de fogo, a disciplina e a profissionalização dos oficiais.

Como primo do pai de Maurício de Nassau-Siegen (O Brasileiro) foi padrinho e teve seu nome escolhido para homenagear o afilhado que viria a governar o Brasil holandês.

Faleceu em 23 de abril de 1625. Suas vitórias em diversas batalhas forçaram um tratado de paz com a Espanha conhecido com a Trégua dos Doze Anos que durou até 1621.

sábado, 21 de abril de 2012

A Perda do Brasil

"A posse desse belo país, para nós, foi de curta duração; perdemo-lo por negligência e erros da própria Companhia das Índias Ocidentais que o conquistara; por isso tratarei de provar quanto é merecida a expressão verzuimd Braziel (o Brasil desprezado), criada pelo nosso poeta nacional van Haren e atualmente proverbial quando se alude à nossa antiga colônia do Brasil. Mas, por outro lado, reconhecer-se-á serem os grandes homens, que ali se distinguiram, como guerreiros ou como administradores, merecedores da nossa relevante homenagem.

Entre essas figuras notáveis, o Conde Maurício de Nassau ocupa um dos principais lugares e nós nos sentimos bem em fazer justiça à memória desse príncipe, digno rebento de um dos ramos da ilustre família Nassau, que soube contribuir para a prosperidade do Brasil Holandês durante os 8 anos de seu salutar governo.

Frequentemente, ressaltar-se-á o heroísmo e o espírito empreendedor dos holandeses. Estávamos, então, no apogeu da nossa glória e do nosso poder. Tornava-se preciso que um povo saísse do nada, espalhando a vida e a luz por todos os espíritos, a abundância por todos os mercados; um povo que emprestasse grande atividade à circulação dos produtos, das mercadorias, do dinheiro, e que, incentivando o consumo, animasse a agricultura, o comércio e todas as modalidades da indústria. A Europa deve aos holandeses todos esses benefícios".

O nome de Vieira, esse corajoso chefe que expulsou os holandeses do Brasil, faz jus bastante à admiração de seus compatriotas. Seria lamentável viesse a caber essa tarefa a um estrangeiro, porque Vieira é um desses nomes pouco comuns em cada povo, que não pertence a nenhum partido, mas à nação inteira e que honra a todos os seus patrícios.

Vieira libertou a sua terra de um domínio repelido pela população e contrário a suas ideias religiosas. Os brasileiros, de então, não podendo ainda formar uma nação independente, voltaram a ser portugueses e católicos. Quase duzentos anos mais tarde, em 1822, emanciparam-se de outro jugo que não correspondia a seus ideais políticos: o Brasil se sentiu forte, declarou- se independente; e esse país, antigamente colônia desprezada, é agora um dos mais ricos impérios, a que o futuro destina um dos mais destacados postos entre as grandes potências".

Haia, fevereiro, 1853.

Pieter Marinus Netscher
Tenente dos Granadeiros do Exército Real dos Países-Baixos

quinta-feira, 19 de abril de 2012

1ª Batalha dos Guararapes

Após o início da Restauração Pernambucana em 1645 os holandeses foram fechados em um cerco ainda mais apertado no Recife.

Desde a época de Nassau que o Conselho Supremo fazia constantes reclamações à Cia. das Índias Ocidentais e aos Estados Gerais sobre a falta tropas e munição de guerra e de boca para consolidar suas posições no Brasil fazendo frente aos luso-brasileiros que pressionavam fortemente os redutos batavos.

No dia 18 de março de 1648 aporta no Recife esquadra do almirante de With com 6000 homens para romper o cerco do Recife e região. Depois das providências de praxe o general alemão von Schkoppe desloca 4500 homens seguindo em direção a Afogados às sete horas de 18 de abril onde receberam algumas peças de artilharia vindas pelo rio.

Informado da movimentação dos holandeses, o mestre-de-campo general Barreto de Menezes e seu conselho de guerra decidem dar combate aos inimigos posicionando sua força principal nos Montes Guararapes e uma vanguarda numa estreita faixa de terra entre os alagados e as elevações. Estas tropas contavam com pouco mais de 2000 homens.

No dia 19 de abril as tropas holandesas saem cedo de Afogados e marcham para os Guararapes. Por volta das 8 horas a vanguarda invasora se engaja com as tropas luso-brasileiras. Observando a desvantagem de suas fileiras, Barreto de Menezes aciona suas reservas, entrando em combate os terços de Henrique Dias e Felipe Camarão pelos flancos e o de Fernandes Vieira pelo centro.

De início, os luso-brasileiros rompem as linhas inimigas e lhe tomam a artilharia, munição e mantimentos, mas os holandeses também lançam suas reservas e conseguem rehaver sua posição e apetrechos. Neste momento as tropas de Schkoppe se veem em meio aos pântanos e com a mobilidade dificultada. Menezes envia então o terço de Vidal de Negreiros que liquida os holandeses.

A batalha durou quatro horas com cerca de 1000 baixas holandesas entre mortos e feridos, inclusive o general Schkoppe ferido no pé, que se retirou com os remanescentes para o Recife. Perderam também os holandeses uma peça de artilharia em bronze, armas diversas, munições e 33 bandeiras deixadas no campo de batalha. As tropas de Barreto de Menezes perderam cerca de 500 homens.

Por sua importância no contexto da libertação de Pernambuco e na criação da pátria brasileira, 19 de abril foi instituído o Dia do Exército Brasileiro.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

A Resposta de Henrique Dias

Tentando fazer com que os luso-brasileiros se debandassem para seu lado, os holandeses sistematicamente espalhavam cartazes prometendo perdão e premios aos que lhes jurassem fidelidade.

O comandante Henrique Dias lhes enviou a seguinte resposta:

Esta variedade de papeis que os meus soldados acham pelos caminhos são folhas de que sempre conhecemos a flor. A experiencia não lhes tem ensinado que o negro nem recebe outra cor nem perde a que tem?

O que VV.SS. imaginam suborno nestes cartazes de perdão é para cada um dos meus negros cartel de desafio. Matar-se-hão facilmente com quem lhes fallar em dominio hollandez. Não se cançem com esta invenção de enganos, porque lhes não ha de sahir a sorte favoravel que estes meus morenos não teem por boa sorte senão a que fazem no sangue hollandez.

De quatro nações se compõem este regimento: Minas, Ardas, Angolas e Creoulos. Os Creoulos são tão malcreados que não temem nem devem; os Minas tão bravos que aonde não podem chegar com o braço chegam com o nome; os Ardas tão fogosos que tudo querem cortar de um golpe; os Angolas tão robustos que nenhum trabalho os cança.

Se VV.SS. consultaram commigo esta industria, excusara-lhes eu a diligencia de os advertir de que esta gente não é a que se leva por arte, e assim lhes aconselho que se valham da força, mas também lhes asseguro que sem os matar a todos, nunca se hão de ver livres de contrarios.


Henrique Dias
Governador dos Negros

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Petição a Nassau

Illm. Sr. João Maurício, Conde de Nassau, Dignissimo Governador, Capitão e Almirante General de mar e terra do Estado do Brasil:

A Camera da villa de Olinda, como mais populosa e principal entre as mais cameras do povo de Pernambuco e de todo o Estado conquistado, tendo experimentado as benignas acções de V.Exc. a benevola propenção que tem a este povo e a todos os moradores deste Estado, e desejando constituir em a illustrissima pessoa de V.Exc. um refugio perpetuo e firme asylo e patrocinio contra as inconstancias da fortuna, tenham aqui e em Hollanda um padroeiro que os ampare e favoreça os povos e moradores do Brasil que com tanto amor governa.
Pede com amoroso affecto a V.Exc. seja servido aceitar chamar-se padroeiro seu, quando os mui altos e poderosos Senhores Estados Geraes das Provincias Unidas e S.A. o Principe de Orange sejam servidos concederno-lo.
Por penhor desta mercê pedimos a V.Exc. nos despache esta petição como pedimos.

Manoel Ribeiro de Sá,
Secretario da Camera de Olinda



Sempre tive ao povo portuguez e a todos os moradores deste Estado a affecção de que tem experiencia, e de novo farei o que a Camera da villa de Olinda me pede nesta petição, e mais particularmente, quando Deus for servido levar-me a Hollanda, estarei sempre certo, como bom intercessor, com muito boa vontade pera tudo que ahi se offerecer aos moradores do Brasil com os Senhores Estados Geraes e S.A. e Concelho da illustre Companhia.

Antonio Vaz aos 3 de agosto de 1639
Mauricio, Conde de Nassau

terça-feira, 20 de março de 2012

Navios Holandeses

Desde o século XV, antes mesmo da sua independência, os holandeses possuiam uma marinha bem desenvolvida tecnologicamente, inclusive nas armas navais. O climax do poderio naval holandês vem com a Batalha das Dunas em 1639, onde a armada espanhola foi derrotada no Paço de Calais.

Nomes de alguns navios que estiveram no Brasil holandês:

Den Hollandschen Thuyn, O Jardim Holandês
De Vergulde Valck, O Falcão Dourado
De Swarte Leeuwe, O Leão Negro
De Voghel Phoenix, O Pássaro Fenix
De Halve Maen, A Meia-Lua
De Eenhoorn, O Unicórnio
Regenboog, Arco-íris
Elias
De Haen, O galo
Utrecht
Zeeland
Het Wapen van Dordrecht, A Arma de Dordrecht
Bruinvisch, Peixe marron
Gulden Sterren, Estrelas Douradas
Dolfijn, Golfinho
Zwaan, Cisne
Oranjeboom, Laranjeira
Morgensterre, Estrela D'Alva
De Schildpad, A Tartaruga

domingo, 11 de março de 2012

O Palácio da Boa Vista

Após a construção de sua residência oficial, o Palácio Friburgo também conhecido como Palácio das Torres, localizado na atual Praça da República, o Conde Maurício de Nassau resolve levantar outro prédio, este para servir como sua residência privada.

Nassau escolheu um local às margens do Rio Capibaribe com vista para o poente, onde segundo Barleus em seu livro Rerum per octenium in Brasilia... "a mãe natureza apresentava ali todos os encantos que aprazem aos mortais e todos os atrativos de uma vida mais tranquila. Em nenhuma outra parte encontravam os mais ocupados prazeres iguais aos dali. Naquele remanso, descansava Nassau, rodeado pela vista das suas construções e longe da pátria. Contemplava astros nunca vistos pela sua Alemanha e admirava a constância de um clima dulcíssimo."

De acordo com desenho de Frans Post o Palácio da Boa Vista, Schoonzit em holandês, assim denominado por Nassau, era um prédio quadrangular de dois pavimentos com pequenas torres em cada canto encimadas por telhados agudos. Na parte central existia uma torre maior dotada de um mastro com bandeira. Nassau ainda mandou construir uma ponte em frente ao palácio ligando-o ao continente. Hoje, aproximadamente no mesmo local, existe a Ponte 06 de Março.

Durante o cerco final dos luso-brasileiros ao Recife, o Schoonzit foi fortificado para servir como ponto de defesa. Após a Restauração Pernambucana, o prédio foi doado à Ordem Carmelita que lá instalou um hospício, uma capela e posteriormente o Convento do Carmo.

O atual bairro da Boa Vista tem seu nome graças àquele palácio do Conde de Nassau.

domingo, 4 de março de 2012

A Ponte

Nunca, até então no Brasil, havia sido construida uma ponte nas proporções daquela inaugurada por Nassau em 28 de fevereiro de 1644 ligando o Recife a Mauritsstadt:

Maurício aconselhou a ligação da ilha ao Recife por meio de uma ponte, facilitando o transporte do açúcar para a ilha, pois este só se podia fazer durante o refluxo da maré e não sem dano, porque amiúde eram os carregamentos atingidos pela água e pelos respingos das ondas. Além disso, a passagem mediante barcos era perigosa, tendo eles mais de uma vez soçobrado, já pelo peso e excesso das cargas, já pelo açoite dos ventos.

O que Nassau continuamente alvitrara por fim persuadiu, e resolveu-se lançar a ponte sobre o rio. Empreitou o Conselho a construção dela por 240.000 florins. O construtor
[Baltazar da Fonseca], iniciando o serviço e apertando com diligência o trabalho dos seus operários, depois de ter levantado alguns pilares de pedra, chegara ao leito da corrente, onde é maior a profundidade, calculada em onze pés geométricos ainda na baixa-mar. Perdendo, pois, a confiança em si e na sua arte, desesperava de executar a obra. Confessou que pode mais a natureza que a arte, não devendo as pessoas prudentes tentar o impossível. Decerto, cumpria ao construtor considerar tudo isto antes.

Ignoram que é diversa a condição dos príncipes, cujo objetivo precípuo deve ser alcançarem fama. Julgando Maurício que importava à sua honra terminar o que tomara a peito e que era de um caráter fraco desesperar do interesse geral pela desesperança de um só, meteu ombro à empresa, e, reunindo material e todos os lados e à sua custa, principiou a estear o resto da ponte, não em pedra, mas em madeira. Cortaram-se árvores nas matas, e das árvores se tiraram traves, com 40 a 50 pés de comprimento, impermeáveis à água pela dureza. Quis Nassau que fossem elas as estacas e botaréus da ponte, cravando-se no fundo, com o auxílio de martelões, até doze pés, umas verticais, outras obliquas, para obedecerem à correnteza.

Rematada a obra com admiração de todos, declarou o Conde ao Conselho os motivos do seu ato, figurando entre os primeiros e mais ponderosos as censuras de alguns, na Holanda, os quais lhe lançavam em rosto as despesas crescidas e inúteis.

Já aprovavam os conselheiros, diante do êxito alcançado, aquilo mesmo que, antes de acabar-se, tinham reprovado e pediram fosse aquela ponte do domínio publico e pertencente à Companhia. O Conde aquiesceu sem dificuldade, mas com a condição de que o rendimento do primeiro dia coubesse aos pobres. E foi de fato tamanha a freqüência dos que, por amor da novidade, iam e vinham aquele dia, que o dinheiro recolhido montou a 620 florins. O tributo anual foi vendido por 28.000 florins. Os cidadãos pagavam de portagem 2 stuivers
[vigésima parte do florin], 237 os soldados e os escravos 1, os cavaleiros 4 e os carros de boi 7 cada um. A passagem do rio em barcas, que, antes da chegada de Nassau, rendia ao tesouro apenas 600 florins, cresceu a tal ponto no valor que ainda antes de se concluir a ponte, ascendeu a 6.000 florins mais.

Gaspar Barleus, Rervm per octennivm in Brasilia... 1647

A ponte de Nassau tinha uma extensão de 318 m com 15 pilares de pedra e 10 de madeira.

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Descrição de Olinda

Adrian Verdonck
Memoria apresentada ao Conselho Político do Brasil, 20 de maio de 1630.

Até aqui temos mencionado todos os lugares que se acham sob a jurisdição de Pernambuco, isto é, do Rio S. Francisco até a cidade; agora vamos fallar da mesma cidade, referindo como dentro della se encontra um muito bello, grande e forte convento de Jesuitas; logo junto outro de Capuchinhos e adiante ainda outro chamado de S. Bento, tambem bonito forte e grande...

Tem a mesma cidade de Pernambuco duas igejas parochiaes chamadas do Salvador e de S. Pedro, e ainda outra de nome Misericordia, onde tambem está o hospital, assente sobre um monte no centro da cidade...

Ordinariamente vêm a Pernambuco todos os dias, por terra, de distancias de 1 a 6 milhas, 350 a 400 mouros, antes mais do que menos, todos bem carregados com comestíveis afim de vendel-os para os seus senhores, e isto além das barcas que diariamente chegam ao Recife, de todos os lugares atraz mencionados e ainda de outros, e que tambem trazem mantimentos; todos os dias vão mais de 200 negros a uma ou duas milhas da cidade só a pegar carangueijos, voltando a tarde para casa carregados vendem-nos todos...

Na minha opinião devia haver na cidade de Pernambuco mais de 800 homens e bem 4000 ou mais mouros e ainda outras tantas mulheres e crianças.


Traduzido de Brieven en papieren uit Brazilie por Alfredo de Carvalho e publicado na Revista do Instituto Archeologico e Geographico Pernambucano, nº 54 de 1900

sábado, 11 de fevereiro de 2012

A Rendição Holandesa

Em 26 de janeiro de 1654, às 23:00 hr, os comandantes holandeses assinaram na Campina do Taborda o termo de rendição de suas tropas bem como a devolução de todas as suas conquistas no Brasil.

Comemorando o feito, o presidente do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano proferiu discurso destacando o significado da data:

...Festejamos, hoje, senhores, um duplo anniversario: o da installação do Instituto Archeologico e Geographico Pernambucano, e o da cessação do ominoso dominio hollandez nesta e em outras provincias do norte do Brasil.

O primeiro -o da fundaçao do Instituto- recorda o esforço de alguns pernambucanos benemeritos que entederam congregar-se em torno do glorioso estandarte das nossas tradições, e conseguiram erigir este templo, onde, durante vinte e cinco annos, temos vindo pagar o tributo de nossa fé civica, fazendo a apotheose do passado e glorificando os que trabalharam e morreram pela patria. O segundo -o da restauração de Pernambuco- recorda a seu turno, a inolvidavel empreza daqueles grandes patriotas do seculo XVII, que de 1630 a 1654, sacrificaram-se dia a dia, hora a hora, minuto a minuto, na reinvidicção desta terra que lhes haviam usurpado, e despenderam o seus cabedaes, a sua saude, o seu sangue, as suas vidas na elaboração do futuro nacional.

Senhores, depois do dia 7 de setembro de 1822, precedido do dia 6 de março de 1817, não ha para esta provincia outro que mereça ser tão festejado como o 27 de janeiro de 1654.

Não foi, pois, unicamente a nossa provincia que logrou subtrahir-se ao jugo estrangeiro; toda a immensa porção do território, que abrange as provincias da Parahyba, do Rio Grande do Norte, Ceará e da actual das Alagoas até a margem esquerda do Rio S. Francisco, foi redimida comnosco e deve a sua existencia politica de hoje aos inarraveis esforços dos patriotas que a 27 de janeiro de 1654 penetraram n'esta cidade.


27 de janeiro de 1887.
Dr. João José Pinto Junior.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A Guerra no Mar

A marinha holandesa era uma das melhores do mundo no século XVII, juntamente com a marinha espanhola e a inglesa. Eram frequentes os embates entre navios holandeses e luso-espanhois na costa brasileira para impedir o desembarque de tropas e o transporte de mercadorias na rota Europa/Brasil/Europa.

Em 1631, o soldado Ambrósio Richshoffer da Cia. das Índias Ocidentais, descreve a chegada de uma esquadra holandesa ao Recife, após uma batalha travada contra forças navais do almirante espanhol D. Antônio Oquendo na altura de Porto Seguro, Bahia:

A 22 de setembro entraram no porto diversos navios da frota do Sr. General Pater. Por eles soubemos que seus 16 navios encontraram a armada espanhola forte de 54 velas [destes apenas 17 eram belonaves], tomando a varonil resolução de bater-se. Para este fim abordou com o seu navio a almiranta espanhola, a qual sofreu tão forte canhoneio que foi a pique. Em compensação o navio do nosso Sr. General incendiou-se e foi ao fundo, salvando-se apenas 4 soldados e 2 marinheiros, perecendo o esforçado herói Sr. General Pater. Não obstante ter morrido o chefe, o nosso Sr. Vice-almirante portou-se como valente guerreiro, metendo a pique a vice-almiranta espanhola e aprisionando o navio do Capitão de Mar.

Ainda assim os navios espanhois afastaram-se dos nossos sem ousarem ataca-los ou persegui-los e os nossos dirigiram-se para aqui. Acham-se na maioria muito avariados, trazem muitos feridos que perderam pernas e braços. O meu camarada e patrício Felippe de Haussen contou-me que era tamanho o ruído produzido pela grossa artilharia e mosquetaria que parecia querer o céu precipitar-se no mar, o que é facilmente crível, pois, do nosso lado perdemos 500 homens e 2 navios. Do lado dos espanhóis morreram mais de 1500 homens, foram ao fundo 3 navios.

Um grande e belo galeão aprisionado pelo Vice-almirante e trazido para aqui estava tão danificado pelas balas que se podia ver através dos dois costados. Os navios estavam por dentro e por fora tão salpicados de carne humana, miolos e sangue, que foi preciso raspá-los com vassouras, o que foi horrível de se ver.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano - 150 ANOS

Fundado em 28 de janeiro de 1862, o Instituto Arqueológico Histórico e Geográfico Pernambucano é o Instituto Histórico estadual mais antigo do país, apenas mais recente que Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, fundado em 1838.

Foi a instituição pioneira na sistematização dos estudos sobre a história de Pernambuco e dos estados vizinhos, bem como na preservação das fontes e dos fundos bibliográficos de interesse para nossa história. Foram seus fundadores: Joaquim Pires Machado Portela, Antônio Rangel Torres Bandeira, Salvador Henrique de Albuquerque, Antônio Vitrúvio Pinto Bandeira, Acioli de Vasconcelos e José Soares de Azevedo.

O Instituto Archeológico e Geographico Pernambucano, primeira denominação do IAHGP, funcionou até 1874 no Convento do Carmo do Recife. Em 1875, mudou-se para a Recebedoria das Rendas Gerais no Campo das Princesas. Passou a funcionar em um prédio da Rua da Concórdia em 1877, que em maio de 1879, foi doado em definitivo ao Instituto Arqueológico. Por causa de disputas políticas causadas pela proclamação da república a instituição foi desalojada de sua sede, cujo edifício foi posteriormente demolido. Em 1914, o governador da província desapropriou e adquiriu um prédio na Rua Visconde de Camaragibe, atual Rua do Hospício, 130, onde funcionava uma escola. Passando por adaptações, a sede foi inaugurada em 10 de novembro de 1920, abrigando o IAHGPE até hoje. Foram realizadas obras de manutenção e adaptação no prédio em 1970 e 1987.

Desde sua fundação o IAHGP consolidou-se como orgão de referência para a cultura e a ciência no Estado de Pernambuco e vizinhos, participando ativamente de episódios marcantes como a implantação da república, a libertação dos escravos, a adoção da atual bandeira de Pernambuco e a criação da Academia Pernambucana de Letras. O Instituto mantem-se até hoje como guardião da tradição e glória de Pernambuco.

domingo, 22 de janeiro de 2012

A Maior Riqueza

Segundo os documentos oficiais da Coroa Portuguesa, a cana-de-açúcar (Saccharum officinarum) foi trazida para o Brasil em 1532 por Martin Afonso de Souza, donatário da Capitania de São Vicente. No entanto, existem relatos de que a produção de açúcar remonta a 1516 na feitoria instalada por Cristovão Jacques em Itamaracá.

O primeiro engenho do Nordeste foi fundado em 1535 por Jerônimo de Albuquerque em Pernambuco, sendo chamado de Engenho de Nossa Senhora da Ajuda ou Engenho Velho de Beberibe, próximo a Olinda.

O açúcar já era utilizado na Europa desde o século XIV como artigo de alto luxo, primeiro como remédio, ora como tempero e depois na confeitaria.

Com o desenvolvimento de novas técnicas de fabrico, as características do solo e do clima nordestino, e o incremento da mão-de-obra escrava, o açúcar atingiu enorme volume de produção no Brasil. Em sua esteira, o açúcar desenvolveu um verdadeiro império paralelo que envolvia tudo e todos, terminando por atrair os holandeses da Companhia das Índias Ocidentais inicialmente à Bahia e depois à Pernambuco onde permaneceram por 24 anos estendendo seus domínios do Maranhão ao Rio São Francisco, sem contar com inserções na África Ocidental.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Crueldade Geral

Todos os envolvidos na chamada Guerra Brasílica abusavam da crueldade como meio de intimidar o adversário e também minimizar as frequentes deserções de ambos os lados.

Observe-se a descrição de combate travado em ponto entre os fortes Frederik Hendriks (Cinco Pontas) e Prins Willem (Afogados) feita por Pierre Moreau, francês a serviço da Cia. das Índias Ocidentais:

Vindo do Recife um comboio de víveres para a guarnição de Afogados, os portugueses escondidos nos arbustos à margem do rio, o atacaram no caminho, justamente entre os dois fortes da cidade Maurícia, distantes um tiro de canhão um do outro, misturaram-se entre os holandeses, sem que as guarnições dos fortes ousassem atirar, com receio de ferir os seus, nem sair sem ordem, não sabendo se isso era para surpreende-los.

Houve uns cinquenta mortos de um lado e de outro, mas no dia seguinte uns vinte tapuias escondidos no mesmo lugar e pensando pegar alguém, foram agarrados pelos negros do Recife, que lhes cortaram as cabeças, carregando-as espetadas em chuços pelo meio das ruas, cantando e dançando a sua moda, jogaram bola com as mesmas e depois lançaram-nas no mar.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Ultra Aequinoctiale Non Peccati

As colonias americanas eram vistas na Europa como locais onde imperava a libertinagem e a falta de todas as convenções sociais.

Gaspar Barleus assim escreveu sobre as providências adotadas por Nassau no Brasil:

Todos os flagícios eram divertimento e brinquedo, divulgando-se entre os piores o epifonema: “Além da linha equinocial não se peca”, como se a moralidade não pertencesse a todos os lugares e povos, mas somente aos setentrionais, e como se a linha que divide o mundo separasse também a virtude do vício. Mas tudo isto foi suprimido e emendado pela severidade e prudência do novo governador, que coibia muitos abusos, corrigia muitos erros e punia rigorosamente muitos delitos, de modo que se poderá crer ter ele feito maior número de bons do que encontrou.

A justiça, a eqüidade, a moderação, quase enterradas no país, foram restituídas às cidades, vilas e aldeias. Restaurou-se a reverência à religião, o respeito ao Conselho, o horror dos julgamentos e o vigor das leis. Muitas destas foram proveitosamente emendadas e outras promulgadas. Conseguiram os cidadãos a sua segurança e garantiu-se a propriedade individual. A cada um voltou ou foi imposta a vontade de cumprir com os seus deveres. Os dignos obtinham muito facilmente as honras, como os indignos e criminosos os castigos. Maurício como que reuniu num só corpo nações diversas – holandeses, lusitanos e brasileiros – e lançou para o império que surgia sólidos fundamentos de progresso.


Rervm per octennivm in Brasilia...
1647